5 de Outubro, 2021

O meu filho usa óculos: deve ficar à frente na sala de aula?

Ouvir o Programa no site da TSF
Médico Oftalmologista: Filipa Braz

A maioria das crianças que usa óculos não precisa de sentar-se à frente na sala de aula, mas o oftalmologista Filipe Braz explica que há exceções à regra:

As crianças que mesmo com óculos não consigam ver os tais 100%, crianças com miopia, vulgarmente conhecido como olho preguiçoso em que um olho vê muito melhor que o outro, e, portanto, esforçam mais o olho são. Essas crianças devem ficar sentadas à frente na sala de aula para que o esforço seja menor. Os estrábicos, nomeadamente aqueles que só desviam um dos olhos, para não esforçarem demasiado esse olho, e também é válido para as crianças que fazem oclusão, que andam com um olho tapado para tratar o estrabismo e os olhos preguiçosos.

As altas graduações, apesar da criança poder ver os 100%, os próprios óculos nas grandes graduações, na periferia da lente causam aberrações óticas, dificultando a visão para fora do centro do eixo da lente. Portanto, são crianças que se ficarem muito atrás vão ter mais dificuldade em ver.

O outro tipo de crianças que beneficia do procedimento específico na sala de aula são crianças com torcicolo que têm origem visual, que pode se traduzir numa situação oftalmológica designada por nistagmo, na qual existe um tremor nos olhos, e o tremor dos olhos diminui em determinada posição. Por exemplo, uma criança que diminui o seu nistagmo ou tremor, quando olha para a direita, nunca poderá ficar sentada para o quadro da sala à sua esquerda, porque se não, não consegue ver.

Outra criança que não veja as 10 décimas ou 100% por qualquer outra razão, qualquer que ela seja, uma catarata, uma distrofia retiniana, um problema do nervo ótico, também deve ficar à frente na sala de aula.

Eu gostava de referir que estas situações são aferidas por declaração médica por oftalmologista, são respeitadas pelos professores, e que nos casos mais graves, pode ser necessário o apoio dos colegas de subvisão ou de um professor de ensino especial, ou mesmo ajudas técnicas, como por exemplo: lupas, melhores condições de iluminação ou outras.

Amanhã falamos sobre crianças com necessidades visuais especiais.